União, casamento a qual primeiro foi preciso a junção entre a carne e o espírito para que a nossa consciência fosse produzida. Nasci neste mundo, cresci e naturalmente produzí a consciência, o fruto que pertence a Deus. É na consciência que tudo se manifesta e é, como foi a carne quem a produziu, ela naturalmente tem esta ligação com a carne, mas sabemos que com esta união não vamos muito longe, pois todos sabem que uma hora esta carne a deixará na mão, mas Deus nos enviou o Seu espírito, este que nos dá a vida, e o propósito de Deus a nós é que façamos deste espírito a nossa aliança eterna. O espírito veio de Deus só para buscar esta consciência e levá- la ao Pai.

Toda consciência que se entregar a ele e fazer dele o teu senhor terá a vida eterna dele e gozará uma vida eterna de glórias lá no plano do céu. A primeira aliança é temporária, passageira, a consciência ligada a carne será lançada no vazio eterno. A carne só serviu para produzi-la, uma vez produzida esta consciência tem que fazer uma nova aliança com este espírito, andar por ele, a consciência ligada ao espírito será ligada ao céu. Triste da consciência que não se relaciona com Deus para obter a aliança eterna, isto é, se unificar ao espírito que Ele nos assentou para obtermos a nossa aliança verdadeira, este é o verdadeiro casamento que se fala: o que Deus uniu, homem nenhum separa. A consciência com o espírito santo de Deus, um casamento eterno que jamais se findará. Estas são as duas alianças, primeiro a consciência se faz uma com a carne, porque foi ela quem a produziu, e a consciência que conscientizar o espírito e andar por ele terá sua aliança eterna e esta aliança não será quebrantada.

Por Rozivane Pereira