Temos, porém, este tesouro dentro de um vaso de barro, o tesouro é o espírito que nos dá a vida, o vaso de barro é esta carne, pois ela veio do pó e ao pó tornará. Houve a junção do espírito com esta carne somente para produzir a consciência, esta consciência é que interessa ao nosso Criador, pois ela é que pensa, raciocina, forma ideias e manifesta tudo. Nada tem importância de ser sem a consciência, e somos nós seres humanos que a produzimos como um fruto natural. A carne é morta em si mesma, quem a vivifica é o espírito, o espírito é a vida em nós, ele é eterno assim como a consciência que a criação produz. Uma vez a consciência foi produzida ela é eterna, mas para que ela tenha a vida eterna do espírito há a necessidade de se entregar ao espirito, ele fará toda a obra nela, vai desligá-la da carne e vai ligá-la nele.
Este espírito é o tesouro que habita dentro de todos nós, ele é a nossa vida eterna, mas temos que tomar posse dele enquanto está em nós, conscientizá-lo, andar por ele que teremos a vida eterna dele lá no plano do céu. Mas a consciência que não se desligar de todos os sentimentos afetivos desta carne, ela é quem sofrerá na eternidade. A carne morreu, e você consciência, não fez caso do espírito da vida e o deixou ir embora, é justamente nesta hora que a consciência será julgada, se ficou ligada a carne, vazio eterno, mas se estiver ligada ao espírito será arrebatada ao céu dos céus.
Minhas queridas consciências, nós estamos dentro de um propósito, vamos nos fazer sábias, nos colocar nas mãos deste espírito, ele é quem nos guiará até transpormos de planos, e juntos viveremos em plena paz.
Por Rozivane Pereira