E a sabedoria não só canta, como também faz versos, poesias e textos. A sabedoria fala, como já foi dito no passado: não clama, porventura a sabedoria? E a inteligência não dá a sua voz? No cume das alturas, junto aos caminhos, nas encruzilhadas das veredas, ela se coloca. Ninguém neste mundo pode dizer que nunca ouviu a sabedoria, pois ela fala simplesmente no gesto de uma criança, num voo de um beija-flor, no quebrar das ondas do mar, nas estrelas lá em cima no céu, no mais isolado cacto do deserto, e nós vemos que em tudo isto tem as mãos do Criador. O simples respirar, o pulsar do coração, o andar das pernas, o olhar dos olhos, o ouvir dos ouvidos, e o falar da boca. Onde é que você não vê a sabedoria aí? Uma fonte incalculável, com destreza e maestria, como chegar ao conhecimento de algo, se não aprendermos com a sabedoria?

Ela foi aluna do Criador e em tudo está presente, tudo por ela já está preparado, antes mesmo de estar aparente. A nossa consciência ainda é novinha, mas já me deparei como tal, e o conhecimento mais importante eu já adquiri, a sabedoria divinal. Ela me mostrou todo o caminho estabelecido para hoje eu estar aqui e todos os dias tem iluminado minha vereda para na vida eu prosseguir. Tem desbravado comigo as profundezas do meu ser, caminho radical que leva ao paraíso, onde terei a completude e a excelência de todo saber. Aprendi que a sabedoria mora com a simplicidade, ela me ensinou o que é útil para eu ter a vida por toda eternidade. Olha tamanha sabedoria que hoje minha alma contempla, descobri a razão da vida, o motivo da nossa existência. Tudo tão singelo, puro, limpo e salutar, vejo a vida agindo em tudo tão natural, como o rio que corre para o mar. Sem ela, a alma torna-se tola e inconsequente, mas quem anda com a sabedoria cada vez mais amplia minha sua mente. Com a sabedoria aprendemos que tudo tem o tempo certo, que devemos ter paciência até o ciclo estar completo. Não precisamos nos afobar, nem meter os pés pelas mãos, somente colocar-se no nosso lugar e deixar a vida se manifestar.

Por Michele Mi