O cais da alma é uma expressão de fuga, como quando uma consciência está em apuros, e ela recorre a algum lugar para se refugiar, por exemplo: quando uma consciência está com algum problema, ela sempre recorre a uma outra pessoa de confiança, para desabafar e ajudar a resolver o problema, uma espécie de irmão, mãe, um amigo mais próximo, aquilo é um escape para a consciência se tranquilizar, uma espécie de confidente.

Nós vemos que a maioria das consciências estão no seu limite, e estamos vendo muitas em estado de pânico, tormentos, distúrbios, depressão, e elas não conseguem enxergar este cais para se apoiarem e se ancorarem até que a tempestade passe. Muitas estão indo atrás de religiões, de remédios tarjas pretas, de drogas, que a tornam ainda pior, pois sedam o corpo na hora, mas não resolve o problema, não curam a alma de verdade, mas só superficialmente. A depressão é uma doença da alma, causada pela consciência que não vê mais graça em nada, não encontra o sentido da vida, e estamos vendo este estado levá-las a cometerem até o suicídio.

A saída para elas se ancorarem e se apoiarem no cais, seria chegarem ao conhecimento da razão da vida, ver-se de fato como consciência, reconhecer-se, refletir a si mesma, pois a consciência é uma grandeza e ela é dotada do órgão do raciocínio para enxergar tudo pelo entendimento, podendo assim compreender todas as coisas.

Toda a solução e saída está dentro de todos nós, o cais, a base firme e forte está lá no interno, escondido no fundo de cada alma. A questão é não desesperar, não jogar tudo para o alto, mas ser sóbrio, ponderar, buscar a solução, usar do raciocínio e ampliar a visão.

Ver que a consciência pode mudar em questão de instantes este estado ruim e desequilibrado para um estado de paz, feliz e forte e isto depende somente de cada consciência, pois todo poder de determinação, decisão e ação está nas mãos de cada um e por mais que estejamos rodeados de pessoas, somos todos sozinhos e individuais e é dentro de nós que encontramos o verdadeiro cais.