São elas que quebram os muros da ignorância e derrubam as barreiras da incompreensão, dissipam as nuvens que cobrem a verdade nos olhos da multidão.
Vejo as almas encarceradas, cada uma em sua cela, apalpando as paredes, em um beco sem saída, o negrume pairando nas mentes, uivos, atrocidades, homicidas, personagens periculosos, insanidade sombria, animais encurralados, estado de psicopatia. Mas a verdade passeia entre os corredores, vestida com sua armadura, deixando os presos alvoroçados, encabulados com sua postura. É ela que abre as celas e já habita em cada coração, basta ativar o raciocínio e acenderá a luz na própria imensidão.

O entendimento cessa as contendas, traz o discernimento, ameniza o sofrimento e amplia nossa tenda. É preciso querer se libertar, enfrentar os medos e determinar, deixar para trás as tradições, crendices e cultura milenar. Ter compromisso de fidelidade e fazer jus a própria existência, colocar-se ao lado da verdade, pois só ela liberta nossa consciência.
Eu compreendi o propósito da vida e com ele o verdadeiro amor, tenho desejo de libertar as almas e tira-las das garras do opressor. Carrego chaves de todos os tamanhos na alma e na garganta, naturalmente ecoa pela voz uma sabedoria tamanha. E assim passo os meus dias, cumprindo com meu papel, sigo com as chaves do entendimento na boca, a verdade que rasga o véu.

Por Michele Mi