Na verdade, a psicose não é uma doença própria do corpo, mas sim da alma. E não se pega por vírus ou por bactérias, mas este mal é psicológico. As consciências sofrem muita pressão nestes finais dos tempos, é o medo de acontecer coisas ruins, como desemprego, as prestações que vencem no final do mês, os assaltos, as contendas familiares, o desânimo, a falta de confiança e um monte de outras coisas que estão acontecendo tudo ao mesmo tempo.

As consciências têm medo até de abrirem os olhos quando acordam de manhã e verem que tudo começará de novo, a mesma luta, o mesmo tédio, a mesma sina, uma mesmice, causa até arrepio na consciência. Não muda nada, não mexe com nada, é como o tic tac dos relógios. Todos os dias o sol nasce e se põe. E a ganância do ser humano só aumenta a cada dia, o acúmulo de bens não tem fim e tudo deprecia, tudo fenece e o ser humano também se acaba no final.

É triste de ver, mas as consciências estão num estado muito ruim, não tem domínio próprio, não tem paz e brigam até por um botão mal pregado, mas não se largam. Um serve de descarrego para o outro, como uma válvula de escape da panela de pressão. Vive um engolindo o outro para ver se alivia o estresse. Uma hora é vez de um, e outra hora é a vez do outro, e é assim que as famílias vivem, um aguentando o outro, sendo que a compreensão e o respeito às diferenças mudaria este quadro.

Eu sempre analiso: como o mundo pode ser bom, onde a desgraça de uns é a fonte de lucro de outros? Os consultórios terapêuticos estão lotados por causa das doenças das almas. São causas intermináveis na justiça, traficantes e empresários ricos por venderem drogas de todos os tipos que viciam e aniquilam as consciências, fora ainda, os que enganam as almas pelo amor sórdido ao dinheiro. Parece que esse mundo já acabou e nós nem percebemos.

As nossas consciências tem o poder de raciocinar e enxergar todas as coisas pelo entendimento e fazermos sempre o certo. Só assim podemos mudar essa situação começando por nós mesmos.