Cada consciência é como um campo, e ela também têm o seu ciclo, onde sofre mudanças, assim como as quatro estações do ano. Se plantar na estação errada não produzirá nada, mas se plantar na estação correta, colherá muitos frutos.

A primavera é a estação das chuvas, onde os campos ficam floridos. Cada espécie produz seus frutos. Depois vem o verão, uma estação quente que amadurece o fruto deixando-os doce e suculento. Depois disso o ciclo começa novamente, vem o outono com o seu frio molhado, preparando as terras para novas colheitas. E depois vem o inverno, com o seu frio seco, onde as folhas caem e deixam as árvores nuas, como uma nova preparação de um novo ciclo, e novamente vem a primavera começando tudo de novo.

O inverno é frio, e metaforicamente não se produz nada, por isto as formigas trabalham no verão para comerem no tempo de inverno. Metaforicamente falando, é no inverno que ninguém sai de casa, mas ficam atentos para verem o que pode acontecer. Não se planta nos pedregais, e nem no meio do mato, mas é preciso primeiro preparar a terra, limpando-a do mato, das pedras, esterroando, adubando, regando, para então plantar, daí sim produzirá muitos frutos bons.

Jogar a semente em terras improprias é trabalhar à toa, pois não irá produzir nada, só teremos decepções e frustrações. Mas se plantarmos em terra boa, é só esperar pela estação correta, que colheremos muito amor, felicidade, paz e alegria.

Temos que estudar mais as nossas terras, nossas próprias consciências, nos conhecermos profundamente, para eliminarmos o que nos deixa num estado ruim, e depois plantarmos as sementes do bem, senão, nosso trabalho será em vão, vamos trabalhar muito e não veremos resultado.

Ninguém chega a uma terra e planta sem antes prepará-la para o plantio, pois assim, estará jogando a semente fora. Mas existe todo um trabalho de preparação, para depois plantarmos a semente. É neste sentido que temos que trabalhar e entender para não jogarmos conversa fora, pois as palavras são como as sementes.