A palavra jejum, figuradamente, pode ser a abstinência de qualquer coisa agradável ou que causa prazer. Dentro do proposito de Deus nós temos o espírito, a carne e a consciência. Nós sabemos que a consciência foi produzida pela carne e está ligada a carne o tempo todo, e ignora totalmente o espírito de Deus nela. Pedro até disse: já é muito que no tempo passado o espírito padeceu por vós, estando vós na carne, agora armai-vos deste sentimento, que de agora em diante mortificai a carne e vivificai o espírito na consciência.  Em outro texto Pedro disse: amados, peço-vos como a peregrinos e forasteiros que abstenhais dos desejos carnais que combatem contra a alma.

Então, abster-se da carne, não é deixar de comer, mas é deixar de andar pela carne. O jejum neste caso não é ficar sem comer, mas como Moises disse: seis dias trabalharás e farás neles toda a sua obra, mas o sétimo dia é o dia do senhor. Todo o tempo que a consciência deixa de andar pela carne, para estar com o espírito, é considerado jejum. Se diz que Jesus se retirou para o deserto e por quarenta dias e quarenta noites, não comeu e nem bebeu, jejuando para Deus. Literalmente falando, ninguém consegue fisicamente passar quarenta dias e quarenta noites no deserto sem comer e sem beber.

Então é logico que Jesus não estava no deserto e nem ficou sem comer e sem beber, mas se fala aqui da abstinência carnal. O deserto significa que ele se isolou do mundo, e o jejum é que ele ficou concentrado só no espírito de Deus, mesmo porque, este tipo de sacrifício não agrada a Deus e o comer e beber na carne não tem ligação alguma com o propósito de Deus. Mas como Paulo disse, rogo-vos irmãos, pelo amor a Deus que apresenteis os vossos corpos, em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que este é o vosso culto racional. E este foi o sacrifício que Jesus ofereceu a Deus, passou quarenta dias e quarenta noites sem contato com o mundo e concentrado no espírito de Deus, este foi o jejum que Jesus ofereceu a Deus. Esta é a abstinência que nós também devemos oferecer a Deus, e não ficar sem comer e sem beber, que não diz nada.