As pessoas em geral tem a tendência de buscar uma referência e geralmente esta é aquele em quem coloca sua admiração. As vezes, ou na maioria das vezes, querem tanto ser igual ao seu objeto de admiração que se perdem, não sabem mais o que é de si ou do outro, perde sua própria referência como pessoa, sua personalidade. Muitas vezes submetem-se até a cirurgias plásticas para que tudo em si, seja o outro, que tamanha sandice! As consciências são extremamente carnais e isso salta dos olhos. Estão todas moldadas ao que este mundo cão oferece, aliás o engano plantado nele, que sorve de suas consciências, saboreando o triste fim. Raridade é encontrar uma consciência que queira em si identificar-se com a vida, afinal para se ter as características dela, deve-se saborear de suas delícias, ter o gozo constante de conhecê-la e fazer dessa, ação contínua até a realização por completo. Não se trata de uma adequação de personalidade, mas da apropriação dela, de vestir-se e sentir-se novo.

Por Loir Xavier